Troca de Garantia – Por que a Garantia locatícia é um assunto importante?

A garantia locatícia é um assunto sério na hora de fechar um negócio. É de responsabilidade da Imobiliária todo o processo de gestão da locação, importante pensar que, se houver uma inadimplência, ela estará com necessidade de atender às dúvidas do seu Locador, e também precisa ter escolhido a Garantia correta para poder resolver da melhor forma com o Locatário. Existem diversas garantias locatícias que podemos escolher de acordo com cada caso.

Vamos supor que Carolina quer alugar um apartamento. O corretor está realizando todo o processo junto a MigraSeguros. Carolina quer fechar negócio, mas não teria um fiador. E agora?

Na falta de um fiador, pode-se recorrer ao seguro fiança locatícia. Se, no processo de aprovação da apólice, o inquilino for recusado, pode-se lançar mão do título de capitalização, cujo custo pode ser escolhido pela Imobiliária, geralmente varia entre seis a dez aluguéis. Caso o locatário (no caso a Carolina) não tenha recursos para esse montante, a caução pode ser uma alternativa. Se por acaso, nenhuma dessas alternativas forem viáveis, há a possibilidade de se fechar o contrato sem nenhuma garantia – opção arriscada, é verdade, mas, ainda assim, possível.

Carolina está em dúvida e a Imobiliária orientou da seguinte maneira: 

– Diante de tantas possibilidades, a escolha da garantia é sustentada por um tripé, que envolve segurança, burocracia e custo.

– Quando se fala da segurança da garantia, a Imobiliária atentou à sua efetividade na recuperação do crédito. Se o aspecto for burocracia, a observação deve se concentrar na questão da agilidade, tanto na contratação como no acionamento da garantia, quando necessário. As nuances de cada tipo são itens a serem esclarecidos ao locatário, como no caso da cliente Carolina.

Qual a diferença de cada garantia locatícia? – Carolina quis saber:

O corretor explicou os detalhes para a cliente falando que na caução, se em dinheiro, o locador pode exigir até três aluguéis depositados antecipadamente. Também é possível dar em garantia bens imóveis, como residências e salas comerciais. As dificuldades estão no valor da garantia e como fazer para executá-la. Às vezes, o fiador apresentou um imóvel como garantia na hora de contratar o aluguel, mas imagina o tamanho da burocracia e do tempo empregado em executar esse imóvel?

– Há, também, os títulos de capitalização destinados especificamente para fins locatícios. Funciona como um depósito em caução, mas não existe obrigatoriedade de ser por no máximo 3x o valor do aluguel, a imobiliária pode escolher o número de aluguéis que deseja cobrar, o único ponto é escolher um valor que o inquilino tenha condições de pagar. Imóveis comerciais (salas e pavilhões, por exemplo) são um nicho muito bem aceito para este tipo de garantia, visto que a empresa que locou o imóvel  geralmente possui dinheiro em caixa, rendendo juros baixos, e ao final do contrato, ela receberá o valor de volta. Outra vantagem para a imobiliária: ela não precisa administrar o valor do caução. Por ser uma garantia interessante financeiramente, pois o inquilino, no fim do contrato, resgata o valor pago, acrescido de correção monetária pela Taxa Referencial, o Título de Capitalização tem crescido muito no Brasil nos últimos anos. Nesta modalidade, é importante reunir os documentos necessários na hora de liquidar o título, enviar para que a Corretora de Seguros apresente tudo preenchido e detalhado para a Seguradora, e faça a liquidação junto à Seguradora. Quem é parceiro da MigraSeguros pode fazer todo o processo de contratação e solicitação de resgate por dentro do sistema, com poucos cliques, e ainda recebe comissionamento. 

– A fiança, garantia utilizada em cerca de 45% dos contratos de locação, carece de ser analisada pelo corretor e seu cliente com minúcia. Em casos de ações com esse tipo de garantia que vão parar na Justiça, o juiz tende a interpretá-las restritivamente, visando a eximir o fiador – o que evidencia a importância de a formalidade estar perfeitamente atendida no contrato.

Episódios de moratória são ponto de atenção. Se optar por dar mais prazo ao inquilino e, mesmo assim, ele não quitar o débito, entende-se que é injusto cobrar do fiador o saldo da dívida, que ficou maior justamente em razão do adiamento concedido por livre vontade do locador. Nesse caso, o fiador pode ser exonerado.

É possível fazer a troca de garantia também. Substituir uma garantia de caução ou fiador para seguro fiança, por exemplo, possui algumas vantagens como Seguro Fiança garante até 30 meses de Aluguel, condomínio e IPTU. 

Substituindo uma garantia de caução ou fiador para seguro fiança: o fiador não é averbado em matrícula, a caução, na maioria dos casos, não paga as custas totais – são garantias que não tem um respaldo a longo prazo.

Carolina junto ao corretor, escolheu seu Seguro:

Diante de todas as possibilidades ela optou pelo Seguro fiança por não ter um fiador e por querer facilitar o processo de aluguel do imóvel. É a garantia mais robusta, que melhor assegura às partes envolvidas.

Um ponto positivo na contratação do seguro fiança é a agilidade que esse processo tem gerado. Através do sistema da MigraSeguros a imobiliária faz as consultas para ter a aprovação cadastral e cotação dos Seguros. Isso desburocratiza e facilita muito para todas as partes. Segurança foi outro ponto chave na hora da escolha. O seguro fiança é a melhor opção do mercado atualmente para a troca de garantia também. As Seguradoras que trabalhamos são empresas sólidas e estão preparadas para lidar com as demandas do mercado, mesmo num momento de Pandemia e crise financeira.

 

Nossa Startup de Seguros é parte essencial neste processo junto a imobiliária. Realizamos a contratação de Seguros de forma rápida, segura, eficaz e digital.

Quer saber mais? Quer tornar-se ditial? Fale conosco clicando aqui.

 

Hashtags: #migraseguros #seguroimobiliário #mercadoimobiliário #corretor4.0 

#segurofiança